Organizações políticas e sociais portuguesas divulgaram, domingo (19), um documento no qual expressam “grande preocupação” face à “operação de declarada ingerência e agressão” que os EUA e os seus aliados lançam “contra a Síria”.

No texto, subscrito pela “A Voz do Operário”, pelas associações de Amizade Portugal-Cuba, dos Agricultores do Distrito de Lisboa, Iúri Gagarin, Projeto Ruído, pela CGTP-IN, Ecolojovem, Federação de Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal, pela JCP, pelo MDM e pela URAP, salienta-se ainda que “o que está em causa e não podemos deixar de denunciar e rejeitar é que, tal como aconteceu na Líbia, instrumentaliza-se questões internas, dificuldades e contradições de um país com o fim de promover a desestabilização, o conflito, o bloqueio econômico e político” e procede-se a ameaças de “agressão militar direta”, intuitos que são “acompanhados por uma intensa operação de desinformação” e por uma “tentativa de instrumentalização das Nações Unidas e suas agências, de modo a justificar inaceitáveis propósitos belicistas, com o seu lastro de morte e destruição”.

“Aqueles que impuseram a guerra na Iugoslávia, no Afeganistão e no Iraque, e que aí são responsáveis e cúmplices de violações dos direitos humanos e dos povos, clamam hipocritamente pelo seu respeito”, sublinha-se.

“A escalada de ingerência e guerra” é “contrária às aspirações e interesses dos povos do Médio Oriente”, por isso as organizações signatárias apelam “ao fim da agressão contra a Síria, ao respeito pela soberania do seu povo e pela independência e integridade territorial do país (incluindo os Montes Golã, ilegalmente ocupados por Israel), e pedem ao Governo português “o fim da sua política de apoio ao conflito” e a adoção de “uma atitude concernente com a Constituição” na qual se “preconiza a solução pacífica dos conflitos internacionais e a não ingerência nos assuntos internos dos outros estados”.

 Fonte Jornal Avante!

Documento da tomada de posição pelo fim da ingerência e agressão contra a Síria.

Anúncios