“Mário Soares, que nunca foi ministro das Finanças, também se pronunciou esta semana sobre a “crise profunda do capitalismo”. Fê-lo a propósito de um livro de Michel Rocard – ex-primeiro-ministro francês – que Soares ainda não leu “porque não chegou às livrarias portuguesas”, mas sobre o qual reflecte a partir de uma entrevista dada pelo autor ao Le Monde, onde a dado passo afirma que devido à crise profunda do capitalismo a “sociedade de amanhã será radicalmente nova”, “menos mercantil e menos cúpida”. Soares vem explicar, não vá alguém tirar conclusões precipitadas, que “isto não quer dizer que o capitalismo vai desaparecer”. O que vai é “mudar radicalmente”, declarando guerra às finanças. Porque, explica, o que está em causa não é o capitalismo, mas a sua desregulação monetarista”, a qual deverá “mudar, obedecendo a valores éticos, dominando os mercados especulativos e impondo as conquistas socias”. Ora aqui está uma razão para Soares ter metido o socialismo na gaveta”

Fonte Jornal Avante!

Anúncios